Saber-Literário

Diário Literário Online

Zé Fininho

Postado por Rilvan Batista de Santana 18/02/2008

Zé Fininho
R. Santana





1




Tudo nele era incoerente. O apodo “fininho” para expressar magrinho não condizia com o seu corpanzil. Chamavam-no de Zé, mas o seu prenome era Lourival. Era negociante por vocação, pedreiro de suas obras e político nas horas vagas. Não era letrado, mas tinha o dom da palavra e uma lógica que dava inveja, porém, a marca principal de Zé Fininho era o seu otimismo.
Zé Fininho não falava de doença, de miséria, de tristeza, de falta de dinheiro, todavia, se esbaldava e fazia rir os amigos com o seu papo de riqueza, de fartura, de grandeza, mesmo que lhe faltasse níquel no bolso. Não era estróina, também, não era mão-fechada, se alguém batesse em sua porta por necessidade, não saía sem a solução parcial ou total do problema.
Conta-se que certa feita, na saída de um consultório médico, amparado por um amigo de tão alquebrado que estava de uma infecção intestinal, encontrou um conhecido indiscreto que lhe observou:
-Zé Fininho você está mau!...
-Eu, Sinfrônio? Acho que quem está mau aqui é você! – o pobre do homem ficou sem graça...
Zé Fininho não gostava de baixo-astral.


2

Quando eu o conheci, ele era um homem maduro, porém, longe da meia idade, teria tido muito gás pra queimar se uma síncope repentina e fatal não o tivesse levado pra o buraco aos 53 anos de vida.
Um guloso das boas e péssimas iguarias – comida boa é fome -, não dispensava nenhum prato feito D. Marta, sua mulher, fosse um estrogonofe ou uma buchada, uma feijoada, um sarapatel, qualquer hora do dia ou da noite. D. Marta costumava dizer: “este homem tem estômago de avestruz”, pois ele comia até sapo cururu cozido e apimentado se botasse à mesa.
Não menos que a gulodice era a sua disposição para o trabalho. Não deixava o trabalho para depois – guarda-se o que comer não o que fazer - , não se queixava nunca que estava cansado de trabalhar e quando a mulher o admoestava para que ele descansasse, dizia:
-Terei a morte como descanso.
Não falava mal do açougueiro, do bodegueiro, do feirante, do negro, do pastor, do bispo ou do papa, mas tinha uma leve ojeriza e cisma ao índio, achava-o preguiçoso e traiçoeiro.


3


Tinha a política no sangue, quando empunhava uma bandeira, empunhava-a com desprendimento e paixão. Não gostava de discutir pessoas, mas idéias e práticas administrativas. E, forçado por algum adversário político, apontar os erros de A ou de B, ele deixava-o falando sozinho, sua divisa era:
-Religião, política e mulher não se discutem, se abraça...
Não fazia política para auferir vantagens pessoais, fazia política pela simpatia do candidato e pela sua vida pregressa.
Tinha um raciocínio lógico e contundente, numa peleja política, apontava as necessidades da cidade e as impossibilidades administrativas do candidato adversário.


4

A fanfarronice de Zé Fininho e o seu bom-astral se não contribuíram para o seu sucesso financeiro, porém, foram fundamentais para que ele amealhasse um bom patrimônio e deixasse-o para os seus entes queridos.
Zé de tanto falar em gado, em fazenda, em cacau, em terras, alguns anos antes de morrer, adquiriu, terras, cacau e gado.



5


Numa segunda-feira, do mês de abril do ano 2000, morre aos 55 anos de vida, em sua cama e em seu quarto, às 14 horas daquele dia, Lourival Santiago, conhecido pelos amigos e não amigos por Zé Fininho.
Foi uma morte inesperada. Zé não era chegado às doenças. Embora já tivesse ultrapassado à meia idade, era forte como um touro e manso como um carneiro. Não houve tempo de levá-lo ao hospital, quando o socorro chegou, Zé já estava no além-mundo, sem retorno.
Os fofoqueiros da vida alheia espalharam que Zé Fininho tinha comido um cozido de carne de boi, verduras e pirão e logo depois tinha ido apagar o fogo libidinoso de D. Marta, para fazer jus à verdade, era uma mulheraça, um pancadão, despertava o desejo do mais tímido franciscano.
Os não-fofoqueiros alegavam que não tinha havido sexo, mas que Zé Fininho teria sido imprudente em tirar uma sesta com a comida ainda fumegando no estômago e tinha tido uma congestão mortal.
O doutor-legista assinou o papel de um infarto fulminante, sem chance de socorro.
No entanto, o doutor-povo jurava por Hipócrates que a causa morte tinha sido mesmo D. Marta, Zé Fininho não era homem de sesta!...
Hoje, é de somenos importância saber quem estava certo: o médico, os fofoqueiros ou os não fofoqueiros, o povo, mas o importante agora, é aprender as lições de vida que Zé Fininho deixou.
Uma coisa é certa: ele morreu feliz e era uma boa pessoa, pois somente os bons são chamados cedo lá pra cima.
Sua herança se resume nas lições de otimismo, de alegria, de bom caráter e filosofia de vida que passou para os seus parentes, amigos e não-amigos.
Na sua lápide, os amigos eternizaram sua memória com a inscrição:
“Jaz aqui um homem que tinha como divisa o otimismo e transformava o infortúnio em fortuna”.



Autor: Rilvan Batista de Santana
Gênero: Conto



0 comentários

Postar um comentário

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Patrono

Patrono

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Todos os nossos textos, abaixo, estão licenciados no Creatve Commons.
Tecnologia do Blogger.