Saber-Literário

Diário Literário Online

Caboclo Ló

Postado por Rilvan Batista de Santana 30/07/2012




Caboclo Ló

R. Santana

Eu o conheci na Praça Olinto Leone. Não lhe perguntei onde morava nem o que fazia, não soube o seu de nome de batismo, apenas, disse-me que o tratasse por ”Caboclo Ló”, depois desse dia, nunca mais o vi, acho que não morreu, apresentava boa saúde, acho, também, que esteve em Itabuna de passagem, todavia, em pouco mais de uma hora de bate-papo o desconhecido deixou-me muito impressionado.

            Não tinha aura de intelectual, caboclo, baixo e atarracado, não despertava, à primeira vista, empatia, uma pessoa comum como tantas outras pessoas que cruzam o nosso dia a dia, aprendi que “Se a aparência explicasse a essência, o sabor seria desnecessário”, portanto, não tomei susto de sua sabedoria, não julgo ninguém pela aparência, no entanto, para desencargo de consciência, confesso que o desconhecido me surpreendeu em conhecimento e informação.

            Cedo, dia de domingo, a Praça Olinto Leone estava vazia de gente, somente os pássaros e os saguins em cima das árvores davam vida ao ambiente, Caboclo Ló estava sentado num banco do jardim defronte a agência do Banco do Brasil, me aproximei e de praxe o cumprimentei:

            - Bom dia, senhor!

            - Se o dia for bom, no final lhe direi! – fiz que não entendi, olhei pra o céu, tentei puxar conversa:

            - Hoje, o dia promete!...

            - Ontem, a previsão do tempo no JN deu muito Sol no Sul da Bahia!

            - Parece... – ofereci-lhe um cigarro:

            -Fuma?

            -Não, não fumo!

            - Nunca fumou, quando moço?

            - Rapazinho, eu tentei impressionar as garotas, era costume na época, os galãs de cinema apareciam nos pôsteres soltando baforadas e com mulheres bonitas... Porém, conheci a minha esposa que é religiosa e me convenceu de deixar o vício e o fumo... – não o deixei terminar:

            - O vício e o fumo!? Não é a mesma coisa?

            - Não. O vício é dependência e a dependência é mais nociva do que a droga. O vício é um ato de vontade e se o sujeito exerce controle sobre sua vontade: o fumo, o álcool, a cocaína, a maconha, o crack e outros venenos não lhes farão mal, serão comparáveis a um animal felino não domesticado, que não causa dano vê-lo de longe e jamais lhe abraçar!

            - De que maneira, se o consumo de droga é generalizado? Nem a polícia dá cabo!

            - Professor, o homem é suas circunstâncias, circunstâncias boas e ruins influenciam o destino do homem. O mal é mais acessível, é necessário um espírito forte para não se contaminar com o nocivo. O aparelho repressor do estado sozinho não resolve o narcotráfico e o vício, mas, a educação, a religião e as políticas públicas de bem estar social podem mudar esse quadro de vicissitudes...

            - Caboclo Ló – já com intimidade – as escolas, os governos e as igrejas já fazem isso!

            - Não o suficiente!

            - E fazer mais o quê?

            - Trabalhar mais com a família!

            - Como?

            - Professor, a educação doméstica é tudo... Os pais têm que ser presença, exemplo, ultimamente, o pai ou a mãe deixa aos outros a educação dos seus filhos desde a creche!

            - Ninguém sobrevive sem trabalho!

            - Eu sei, mas tem que haver meio termo, não se pode colocar o trabalho acima da educação dos filhos. Alguns pais pensam mais no seu bem estar profissional e social, valorizam mais os bens materiais do que a educação, ao invés de homens de bem, homens de bens, para os pais pobres, que se ampliem os programas sociais... – interrompi:

            - Desculpe-me Caboclo Ló, bem ou mal, essas ações têm sido colocadas em prática pelo governo e pela sociedade!

            - Não em regime de guerra! Estamos numa guerra, a maldade humana não tem mais limite, os pais estão enterrando os filhos, as leis são fracas... Além da educação e da conscientização na mídia dos malefícios da droga, urge a necessidade de trancafiar os narcotraficantes por tempo integral, sem redução de pena, sem benefícios, tomar-lhe todos os bens, reduzir a maioridade penal e considerar os viciados doentes e sujeitos a internação hospitalar. Não se resolveria num passe de mágica, mas depois de algum tempo, o quadro seria outro! – tergiversei:

            - Faz sentido...  – puxei outro assunto:

- O senhor soube do acidente de carro que uma criança foi vítima?

            - Acidente? Não!

            - O pai foi colocar o carro de ré na garagem e imprensou a criança de três anos na parede, socorreram-na, mas foi inútil, coisas do destino!

            - Destino, professor!?

            - O senhor não acredita no destino, na fatalidade!?

            - Desculpe-me professor, mas não acredito em sorte, azar, determinismo. Sei que alguns fatos fogem às leis da razão, o livre-arbítrio também não explica, aí, atribuímos à fatalidade!

            - Então, foi o quê?

            - Olhe, tenho pensado nessas leis da existência humana e Deus, alguns “porquês” são irrespondíveis ou as respostas são meias verdades, se o senhor tivesse tempo, iria colocar o meu pensamento, aliás, o pensamento não é meu, li um texto, não me lembro do autor, lembro-me do título: “O homem nasce para ser feliz?...”, porém, comungo... – não o deixei terminar, era tudo que queria, pois tinha minhas dúvidas:

            - Por favor, fique à vontade, é necessário que se dê tempo ao tempo...

            - Não existe determinismo, destino, predestinação ou coisa que valha e o livre-arbítrio não explica tudo, mas existe um mundo de possibilidades determinantes do comportamento humano, das coisas do mundo e da existência de Deus!

            - Possibilidades determinantes? Não entendi!... 

            - Sim, possibilidades que estamos sujeitos... Fatos que, às vezes, fogem ao entendimento lógico, de natureza absurda, contingenciais, ou, possibilidade que existe por si, essencial, necessária, “conceito puro e fundamental à unidade do juízo”, e as possibilidades reais!

            - O senhor está filosofando demais, não estou afeito a esse tipo de raciocínio, seja claro!

            - Professor, o senhor me disse que ensinou Matemática por vários anos, o exercício lógico, os axiomas e as proposições abstratas foram o seu ofício, agora, me diz que não entende os princípios que lhe expliquei?

            - Nunca gostei de raciocínios puros. O exemplo materializa o abstrato, por isto, peço-lhe que me dê exemplo desses princípios!

            - A dedução é perigosa, particularizar os raciocínios dedutivos, corre o risco de sofismar, mas segundo o autor desse texto: “O homem nasce para ser feliz?...”, existe um “Mundo de Possibilidades”, desde o universo até o nascimento de uma flor!

            - Então, essas “possibilidades” decidem o nosso destino?

            - Sim e não!

            - Sim, quando são reais, aí, aparece o livre-arbítrio; não, quando são contingenciais; aí, aparece o “destino”, a “predestinação”, o “determinismo” ou coisa que valha!

            - Caboclo Ló, o senhor parece professor!

            - Eu!? – deu uma gargalhada – Não, não sou professor, fiz o “curso primário”, mas o mundo foi o meu mestre, todavia, adquiri desde cedo o hábito de leitura e de escrita, isto me ajudou compreender o mundo. Mas, posso saber por que pareço um professor?

            - O senhor é muito didático, cheio de detalhes...

            - É necessária uma fundamentação lógica! – continuou:

            - Vamos lá: “Possibilidade necessária” é Deus, Verdade Absoluta, indiscutível, que existe por Si, mesmo quando o ateu nega Deus, ele se contradiz, portanto, Deus é “Possibilidade necessária”. Se Deus existe, o Universo foi criado sob uma lógica universal, “Ele não joga dado”, há Leis que regem a natureza, porém, nada é imutável, exceto Deus, daí, surgem possibilidades...  – completou:

            - A “Possibilidade real”, o nome por si justifica, é o que existe de real, um conjunto de circunstâncias reais, por exemplo, se alguém tem um pai que é músico ou gosta de música, existe a possibilidade real dele se tornar um músico e não um engenheiro... – eu o interrompi:

            - Mas, se ele não quiser ser músico?

            - Aí, entra o livre-arbítrio, porém, não se pode negar essa possibilidade! – continuou:

            - Porém, é diferente de um acidente, de um naufrágio, de um vendaval, de um raio que cai na cabeça de alguém, etc., etc., são “Possibilidades contingenciais”. Veja o caso lamentável da criança que morreu imprensada: - o pai tinha carro, correu atrás do carro sem o pai vê-lo, houve o descuido do pai, a mãe foi negligente, ou seja, a criança não nasceu determinada morrer atropelada pelo pai, mas possibilidades e circunstâncias concorreram para o “fatalismo”.

            Não mais repliquei, despedi-me de Caboclo Ló e fui embora.

 Autor: Rilvan Batista de Santana - Academia de Letras (ALITA) 


0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

THE END

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Perfil

Perfil
Antônio Cabral Filho - Escritor e coadministradores

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Tecnologia do Blogger.