Saber-Literário

Diário Literário Online

CHATO DE GALOCHA

Postado por Rilvan Batista de Santana 06/07/2012

CHATO DE GALOCHA
R. SANTANA


              Eufrásio era um velho conhecido dos tempos da adolescência. Quando o conheci, ele tinha sido transferido da Cidade de Deus em Osasco, onde trabalhava numa conhecida rede bancária, como operador de rádio Morse, para Itabuna. Naquela época, bancário era o emprego mais cobiçado e desejado pelos jovens que pleiteavam entrar num incipiente e restrito mercado de trabalho. O jovem bancário era disputadíssimo pelas moças solteiras que sonhavam matrimônio. E status maior era ser um funcionário bancário, ainda mais, ser um qualificado operador de rádio Morse de um grande banco. Ele que tinha recém saído da Aeronáutica, chegando ao posto de 3º. Sargento pára-quedista, não demorou contrair núpcias com uma bonita baiana nessas terras do sem fim de Jorge Amado.
            Era um jovem simpático, de estatura mediana, atarracado, de compleição robusta que quando sóbrio era um boa praça, amigo e prestativo, porém quando bebia, dava porre em “Sonrisal” e embebedava “Alka-setzer “, Deus perdoe-me sua ausência: era um chato etílico!...

        Quando estava bêbado, só falava com a gente cochichando, gesticulando e babando. Embebedava-se facilmente. Não bebia para embebedar, mas embebedava porque bebia. Eu era caixeiro de bar, tinha que suportar noite adentro sua chatice para ele engolir dois ou três conhaques ou duas ou três cervejas. Além da chatice alcoólica de Eufrásio de querer falar as coisas banais em segredo, nos agarrando, cuspindo e gesticulando, ele demorava um intervalo enorme de um trago pra outro, que demandava tempo e paciência para aturá-lo

Certo dia, chateado de lhe pajear profissionalmente, em decorrência da minha função de caixeiro e levado pela minha imaturidade juvenil, às tantas da noite, com rala clientela, eu e um colega de trabalho, combinamos dar-lhe (às essas alturas, ele tinha perdido toda sobriedade e discernimento que lhe restavam), álcool puro, acredito, beirando aos 46º. INPM. Foi tiro e queda! Ele engasgou, engulhou, ficou ansioso, quase perdeu os sentidos e numa reação inesperada, mudo, tomou o caminho de sua casa que ficava na circunvizinhança e desapareceu...

- E aí, Geraldo, matamos o homem! - Geraldo, colega de trabalho, mais velho e mais irresponsável, pouco se liga – eu quero que esse filho da puta chato se fo... fo... , vazo ruim não quebra! – Dois dias depois desse surto de catarse que provocamos, ele reapareceu são e forte sem falar e nem reclamar do ocorrido.

O chato não tem educação, é rasteiro, não tem senso de oportunidade, fala quando deveria ouvir é como aquele inseto que coça irritantemente a região pubiana de uma pessoa e ela não consegue desvencilhar-se facilmente.

Não pense o leitor que o chato se caracteriza somente pela falta de educação. Tem o chato acadêmico, o chato religioso, o chato adulador, o chato puxa-saco. Qual a dona de casa que já não deixou seus afazeres domésticos para ouvir uma chata ou um chato religioso? A doutrina religiosa não é chata, mas alguém lhe tomar tempo para encher sua cabeça de um fundamentalismo religioso estéril, cantilena decorada de capítulos e versículos da Bíblia, é um desserviço a Deus.

Quem ainda não teve um colega sabichão? O tipinho que tudo sabe e quer demonstrar para o mundo que sabe tudo? Às vezes, esse chato termina irritando e desestabilizando o professor e os colegas com seu cricri. Mesmo que ele não possua senso de oportunidade, a melhor reação para contê-lo, é ignorá-lo e deixar-lhe à vontade nas suas críticas.

Porém, o pior chato e o mais incômodo é o adulador, o puxa-saco. Este é o chato que advinha a vontade dos patrões numa servidão voluntária que irrita e dar náusea aos demais circunstantes. Há uma passagem folclórica de um indivíduo fumante que chamado pelo patrão para confirmar se ele fumava, respondeu: “eu fumo, mas se o senhor quiser, eu deixo.” É o serviçal assumido. Embora pareça que o chato é um beócio, um curto de inteligência, ledo engano, é um ser perigoso, perspicaz, falso, que lhe deixa ver navio, assim que não represente seus escusos interesses.

Conheci um professor de escola pública que se prestava lavar e escovar o carro dos novos diretores de sua escola, antecipar-lhe seus desejos e auxiliá-lo nos serviços domésticos de finais de semana, numa servidão espontânea, irritante e calculada. Angariava-lhes dessa forma. confiança e prestígio fácil.  Era um negro de fala mansa, falava cochichando, mais para ele ouvir do que para o seu interlocutor ao lado, com jeito de afeminado, que com sua chata adulação e drible de corpo, construiu uma carreira de mando por indicação, nas escolas que trabalhou, pouco se dando às atividades docentes. Um colega comum, de saudosa memória dizia: - É um sujeito mais escorregadio que uma enguia. Mais falso do que uma nota de três reais. Se ele souber que tem uma cobra no seu caminho, ele a deixa picar-lhe para ter oportunidade de suturar suas feridas com a moeda da bajulação! – Era verdade, ele era incapaz de avisar alguma prevenção administrativa individual. Se um aluno fazia denúncia infundada de um colega, ele deixava os fatos correrem soltos em detrimento funcional do colega, resumindo: era um chato adulador do chefe e inato egoísta.

A chatice não é uma doença, é um estilo de vida de algumas pessoas, talvez, um mecanismo de defesa que muitos usam para sobreviver às agruras e dificuldades do dia-a-dia. Encontram na tagarelice e em atitudes inconvenientes sua auto-afirmação.

O escritor Guilherme Figueiredo escreveu um Tratado geral dos chatos. Ele fez um texto bem humorado, divertido, todavia, não incluiu na sua classificação um novo chato: o internauta mensageiro. É o chato que lhe enche de mensagens diuturnas não solicitadas. É um chato diferente, não há contato físico, mas um contato intelectual que graças aos recursos da tecnologia pode-se deletar.

 Fui!...

Gênero literário: Crônica
Autor: Rilvan Batista de Santana
Texto livre: proibido modificação





     

   





           

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Perfil

Perfil
Antônio Cabral Filho - Escritor e coadministradores

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.