Saber-Literário

Diário Literário Online

O homem-rato - R. Santana

Postado por Rilvan Batista de Santana 08/08/2013

O homem-rato
R. Santana

              Galego deveria ter uns 40 anos de idade, um pouco mais ou um pouco menos, todavia, o tempo de cachaça era o mesmo, pois começou beber a branquinha no ventre de sua mãe, de acordo o bebum, a velha também gostava duma caninha desde moça e não se tornou abstêmia quando de sua gravidez, naquela madrugada há 4 décadas passadas quando lhe deu à luz, a parteira encheu a moringa de murcha-venta de sua mãe para que ele não demorasse de nascer, cesariana era luxo de grávida rica, pobre tinha que ser no cru e no cru Galego veio ao mundo.

Ele possuía consciência cidadã, reclamava dos poderes públicos, tinha consciência de sua miséria, era um bebum diferente dos demais, que noite e dia, dia e noite, inundam a feira-livre da cidade de Tupiara e sua praça do “Ó”, dormem embaixo de marquises de lojas circunvizinhas, enrolados em trapos velhos, papelões e colchonetes sujos e nojentos. Os gogorobas se confundem com os seus andrajos, não se sabe quem fede mais, eles ou os seus trapos, restos de gente, farrapos de gente...

Apresentava-se de maneira correta consigo e com o interlocutor:

-João Alberto da Silva, vulgo Galego!... – completava:

-Vossa Senhoria chama-se?... – quando peitava uma autoridade:

-Vossa Excelência é responsável pelo aumento desses miseráveis!... – a autoridade protestava:

-Quê é isso?... Estou no cargo há menos dum ano, eu não sou responsável por suas desditas! – Galego justificava:

-Eu sei Excelência, mas os políticos prometem fundos e mundos aos pobres antes da eleição, depois de eleitos, enchem os ricos de fundos e mundos!...  – os assessores e bajuladores, de pronto, intercediam para que a conversa não se azedasse e arrastavam ”Sua Excelência” para longe dali.

 Galego fez-se a voz dos miseráveis, a autoridade sem mando, o advogado sem causa e mandato, mais fanfarrão do que ouvido, o rei da bazófia e do alarde, o bobo metido a sabido, o São João Batista que clamava no deserto!...

De dia, perambulava pelas ruas de Tupiara, à noite, escondia-se em algum lugar, decerto, preocupado com gente perversa que se esconde no manto da escuridão para o gozo de suas maldades. Alguns colegas de copo juravam que ele possuía filhos, mulher e casa, as mentes mais fantasiosas acrescentavam que Galego não era pobre, mulher e filhos cuidavam dos seus níqueis!...

  Certeza não se tinha e não existe prova da fortuna do pé-de-cana, é comum ao homem simples fazer da desgraça do outro apologia, como se faz do limão uma limonada, porém, uma coisa não se podia negar: Galego era diferente dos outros bêbados nas atitudes e na sutileza de raciocínio. Costumava poetizar o seu vício:

 

“Bebeu a princesa Isabel, bebeu o imperador

Bebe o soldado, bebe o cabo e o major

Bebe o pobre, bebe o remediado e o rico,

Bebo eu, que não sou rei nem militar!...

 

O Senhor deixou a mandioca, a uva, a cana...

O homem fez vinho, vodka, whisky...

O Francês bebe vinho, o mexicano bebe tequila,

       O americano bebe whisky, cerveja bebe o alemão.

 

 

Bebe o meirinho, o advogado, o juiz e o promotor

Bebe o bispo, o padre, o franciscano e o sacristão,

  Bebo eu, que não sou direito nem santo, sou pecador!

 

Bebe o ministro, o deputado, o vereador e o senador

Bebe o cientista, o enfermeiro, a médica e o doutor,

Bebo eu, bebe todo mundo, também, o presidente!...”

 

            Naquela manhã, alguém lhe encontrou pra baixo, sorumbático, triste e esquecido do mundo:

            -Eh, eh, eh, homem! Tristeza não paga dívida e do mundo nada se leva!... O quê houve?... – Galego não estava num dos seus dias:

            -Eu não sou homem, sou um rato!!!

            -Quê rato, homem!?  Deixe de maluquice!!! Nunca lhe vi assim!

            -Desculpe-me amigo, estou deprimido, mas nós não passamos de ratos!

            -Nós, Galego!? Eu sou homem!!! – espinhou-se...

            -Não se agaste rapaz! Para mim não existe retorno, sinto que estou mais prá lá do que pra cá, por isto, peço-lhe que deixe a mim e a minha desgraça a sós! – o rapaz insiste:

            - Primeiro, explique essa história que somos ratos!...

            - Rapaz, eu acho que somos piores do que ratos. O rato serve de cobaia à ciência, é um animal arguto, inteligente, vive em comunidade, em família, anda limpo, escovado, inspira filme, desenho e, o gato de Esopo não lhe colocou guizo no pescoço... Nós somos sujos, fedorentos, à margem da sociedade, relegados pela família, bobo da coorte!... Nós... nós...  nós somos piores do que os ratos. Eu não sou homem... Eu sou pior do que um rato!!! – não esperou contraditório, deu-lhe as costas e foi embora.

            Dias depois, morreu embaixo duma barraca de feira, encolhido, enregelado, desprezado da família e de todos, João Alberto da Silva, vulgo Galego, não, morreu o rato, não de novo, morreu sim, o homem-rato!...


Autor: Rilvan Batista de Santana
Gênero: conto
Licença: Creative Commons
Itabuna, 13 de outubro de 2010.

1 Responses to O homem-rato - R. Santana

  1. Só fiquei imaginando se o Galego Bom nasceu num Alambique ou foi numa Manjedoura, ou não será um filho bastardo do Deus BACO.
    Parabéns, meu rico poeta Rilvan Batista de Santana, pela mente brilhante.

     

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

THE END

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Perfil

Perfil
Antônio Cabral Filho - Escritor e coadministradores

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Tecnologia do Blogger.