Saber-Literário

Diário Literário Online

Eu não gosto de Félix

Postado por Rilvan Batista de Santana 25/10/2013


Eu não gosto de Félix

R. Santana

 


Nada contra o ator Mateus Solano, aliás, ele desempenha o papel de homossexual com tanta desenvoltura e graça com os seus ditos religiosos que prende o espectador do começo ao fim mesmo que não seja aficionado por novela na TV, mas não gosto do que Félix personagem representa para juventude incauta brasileira. Todavia, não é o primeiro personagem gay televisivo que capta a simpatia duma parcela ingênua da sociedade que não percebeu ainda que os autores noveleiros têm por objetivo “destigmatizar” e “eufemizar” as relações homoafetivas, pois é de conhecimento de todos que alguns autores, atores, atrizes e diretores são homossexuais assumidos ou enrustidos. Eles comungam com o pensamento de Oscar Wilde que a vida imita a arte e não o contrário.

            Não é necessário ser beato ou xiita para saber que a homossexualidade é reprovada por Deus: “Se um homem usar com outro homem, como se fosse mulher, ambos cometeram uma torpeza abominável; serão punidos de morte e sua morte recairá sobre eles.” (Levítico 20,13). No islamismo a homoafetividade também é condenável, em alguns países muçulmanos, o homossexual é punido com a pena capital, outros países são mais tolerantes e a morte é substituída por castigos severos. O efeminado ainda é reprovado em outros textos bíblicos: “Acaso não sabeis que os injustos não terão parte no reino de Deus? Não vos iludais: nem fornicadores, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas...” (I Coríntios 6, 9-10). É procedente e oportuno registrar, também, a ira de Deus com os habitantes de Sodoma e Gomorra.

            Hoje, essas citações bíblicas são consideradas irrelevantes, coisas remotas, distantes, fantasia da história, fábulas, parábolas, princípios morais obsoletos, recursos disponíveis naquela época para educação dum povo primitivo e duma sociedade e estado desestruturados e inaptos, porém, não se pode negar que com todos os avanços da sociedade moderna, a homossexualidade ainda é uma perversão moral imposta e não aceita espontaneamente, se a homossexualidade fosse uma opção sexual natural, sem preconceito, não seria necessário de leis para proteção de homossexuais contra a fúria de heterossexuais intolerantes.

            Desde 1990 que foi comprovado que a homossexualidade não é um “transtorno mental”, uma “inversão congênita”, uma anomalia da natureza a exemplo da partenogênese e do hermafroditismo, mas uma opção sexual do individuo, o homossexualismo não consta na relação internacional de doenças da Organização Mundial de Saúde – OMS, nem nos programas de políticas públicas de saúde dos municípios, estados e união. O homossexual é um sujeito saudável com prerrogativas e deveres como qualquer outro cidadão e deve ser respeitado e integrado à sociedade, portanto, não é justo que lhe dê uma legislação diferenciada em detrimento dos demais.

            A homofobia também não é aceitável sob os aspectos humanos e jurídicos. Não se pode violentar ou discriminar o indivíduo pelo fato dele ser homossexual. A agressão física e a agressão moral não se justificam sob nenhum pretexto nem no homossexual nem no heterossexual, o agressor deve ser responsabilizado e apenado. Os direitos humanos são para humanos cidadãos não para bandidos e malfeitores. As ideologias radicais raciais, sexuais e os preconceitos não subsistem no mundo democrático de hoje.  Todo homem deve ser respeitado e amado de maneira cristã independente de sua opção sexual, de sua raça, de sua idade, de sua condição física, de sua religiosidade e de sua  posição social.

            Entretanto, reprova-se não a homossexualidade em si, é uma conduta efeminada de alguns homens desde os princípios dos tempos... Quem leu a “Crônica escandalosa dos 12 césares” e os livros de Platão, onde Sócrates se manifesta contra os homens efeminados, irá perceber que é impossível insurgir-se contra essa chaga humana que há séculos subsiste, é como disse Jesus Cristo a Saulo: “... Duro é para ti recalcitrar contra os aguilhões” (Atos 9, 4-5), todavia, gozando do mesmo princípio democrático que eles, é ignomínia social o “casamento” gay, a adoção de crianças e a figura jurídica de “União Estável”, os mesmos direitos da previdência pública de um casal convencional e a concepção de uma nova família.

            Hoje, é chique ser gay! Certas profissões são estigmas dessa opção sexual que os profissionais de sucesso, geralmente, são homossexuais ou representam bem esse papel, a exemplo de cabeleireiros, estilistas, cozinheiros, dançarinos clássicos, atores, atrizes, cantores, cantores, etc., etc. Alguns se jactam que gostam de homens e mulheres, são os bissexuais, marido da mulher e mulher de todos os maridos. É comum, artistas em declínio tornar público sua opção sexual invertida com o objetivo de chamar a atenção de seus incautos seguidores e não sair da mídia televisiva, jornais e revistas específicas de gays, lésbicas e simpatizantes, os famigerados GLS.

            A caricatura de Félix seria engraçada se não houvesse uma mensagem subjacente do autor com o objetivo de maximizar, “destigmatizar” e “eufemizar” as relações homoafetivas, torná-las mais naturais, mais aceitáveis e minimizar os preconceitos. Quando se iniciou na TV essa campanha, em particular nas telenovelas, dramatizar e falar explicitamente da relação homoafetiva, havia certo cuidado no enfoque e nas cenas do assunto para não traumatizar o espectador, mas à medida que o tempo passou, hoje, exagera-se no trejeito dos atores e nas cenas obscenas. Ultimamente, os autores estão empurrando goela adentro da nossa sociedade que o modelo de família tradicional está perto do fim, agora, já não é pai e mãe, mas pai e pai ou mamãe e mamãe.

            A corrupção de costume, princípios éticos relegados, vicissitudes, libertinagem, desregramento e a falta de Deus têm contribuído para degradação moral e o esfacelamento de muitas famílias.  A promiscuidade sexual além de ser um risco para saúde, as relações dissolutas atraem a droga e a bebida. A droga, hoje, é o câncer que pouco e pouco toma conto da sociedade e preocupa os governos de todos os níveis que se esforçam com políticas de saúde pública para atender a demanda.

            Portanto, Félix não é bom exemplo para juventude por mais que seja caricato e engraçado. O autor de teledramaturgia não explora as relações homoafetivas, somente, para aumentar os índices de audiência no IBOPE da empresa televisiva que trabalha, é que a TV ainda é a maior vitrine que se pode ter para difusão instantânea dessas ideias e imagens e o meio de comunicação mais visto e mais popular.  Caberá à sociedade filtrar o joio do trigo e não aceitar todo lixo eletrônico.
 
Autor: Rilvan Batista de Santana
Licença: Creative Commnos

1 Responses to Eu não gosto de Félix

  1. Adoro seu jeito de escrever por que faz a gente viajar ao tempo, percorrendo outras referencias, dando uma conotação mais profunda e seria ao assunto. Muito bem abordada a questão da opinião subjetiva em relação ao autor da novela, em " maximizar, “destigmatizar” e “eufemizar” as relações homoafetivas". Já no meu popular conhecimento também está escrito na Bíblia que a Deus só interessa o espírito. Sendo assim, o Félix pode dar os olhos para quem ele quiser, a bunda, o coração, etc, pois, tudo será, logo mais, pó. Também está escrito: O Corpo é o Templo Santo do Senhor e que não devemos profanar. Mestre Rilvan Batista, professor, escritor e poeta, você é nota duas vezes 10! Parabéns pelo precioso contexto. Quem anda dando de goleada não herdará o reino dos céus. João de Paula.:

     

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

THE END

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Perfil

Perfil
Antônio Cabral Filho - Escritor e coadministradores

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Tecnologia do Blogger.