Saber-Literário

Diário Literário Online

Carta para João Batista de Paula R. Santana

Postado por Rilvan Batista de Santana 24/02/2014

Carta para João Batista de Paula
R. Santana


Estimado escritor, eu gosto de escrever carta para os amigos, porque a escrita fica e a palavra voa, ademais, eu inspiro-me em Machado de Assis, Rilke, Kafka, Mário Vargas Llosa e tantos outros escritores que usaram muito esse expediente da palavra escrita para amigos e mulheres amadas.  Nem todo mundo tem o dom da fala, é necessário um raciocínio rápido e lógico para não se cometer gafe ou injustiça, todavia, a palavra escrita é medida, pesada e analisada antes de ir para o papel.
            Ultimamente, evito escrever carta para os amigos, principalmente, se a carta é mais uma apologia, um louvor público. Como bom geminiano coloco tudo pra fora, de espírito desarmado, com simplicidade, digo tudo que sinto, francamente, sem sutilezas, sem ardis, com fidelidade canina e generosidade, fico feliz com o sucesso alheio, não me move mesquinhez nem egoísmo, sou feliz se posso partilhar minha felicidade.
Às vezes, sou decepcionado com a pequenez, o egoísmo e a falta de generosidade de certas pessoas. Não faz muito tempo, sofri uma advertência institucional e o principal signatário, eu havia lhe elogiado (pra surpresa e contragosto de muitos que não gostam dele) em carta aberta e sua obra literária, um mês antes.  Não me arrependi dos comentários que fiz de sua obra, os problemas pessoais não podem interferir na produção da palavra, a prata da casa deve ser valorizada sempre, não sei se ele fará história como fizeram Jorge Amado e Adonias Filho, escritores do Sul da Bahia que ficaram nos anais da Academia Brasileira de Letras (ABL), que se dê tempo ao tempo...
Caro João de Paula, eu ouvi atento suas queixas por não ter sido convidado para nenhuma das nossas academias de letras: não sei se irá lhe servir de consolo, porém, muita gente de estatura universal declinou essa honraria sem prejuízo para sua produção literária ou filosófica, de chofre, eu lembro-me dos escritores e filósofos existencialistas, Simone Beauvoir e Jean Paul Sartre que dispensaram a mãe de todas as academias: L´ Academie Française, instituição fundada sobe o reinado de Luis XIII, no ano de 1635 de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Meu caro João de Paula, quem leu “Farda, fardão, camisola de dormir”, do nosso gênio das letras, Jorge Amado, irá perceber que as articulações, os golpes baixos, as condutas desairosas, os mexericos, as picuinhas, o tráfico de influência, o status quo do postulante e a política precedem e é condição sine qua non à imortalidade. Não faz muito tempo o escritor baiano, lido em vários países, Antônio Torres, foi preterido pelo jornalista do Sistema Globo, Merval Pereira, homem de um só livro e várias reportagens, para Academia Brasileira de Letras – ABL. Portanto, meu caro João de Paula, não subestime o seu trabalho nem iniba seu veio criativo por não integrar nenhuma dessas instituições, pois se sua obra for original, criativa, consistente, tiver fôlego, ela sobreviverá às intempéries de injustiças e incompreensões.
Li os seus livros: “Proibido Ler – a bela face do mal”, “A Bíblia do Inconveniente – impossível acontece” e “Viva Bem – Que Deus Lhe Ajude a Gozar”, que se caracterizam por mensagens de autoajuda e mensagens de humor. Seus livros lidos an passant, eles parecem expressar uma subliteratura, todavia, numa análise acurada, nota-se que são mensagens significativas, não mensagens à moda de Nostradamus que profetizou sinistro e apocalipse, mas são mensagens positivas e cotidianas de ajuda ao próximo.
Por outro lado, seu lado humorístico, hilariante, me faz lembrar o humor espirituoso de Luis Fernando Veríssimo e as sátiras humoradas de José Simão, lá atrás, no Brasil colônia, lembra-me Gregório de Matos, o “Boca do Inferno”. Não é fácil fazer alguém rir, para os críticos desavisados, texto de humor não é de grande valor literário, ledo engano quem assim pensa, porque são textos que requerem imaginação, sutileza e perspicácia na elaboração.
Não se pode subestimar quem escreve mensagem deste teor: “... Faz parte da boa educação desejarmos ao próximo: um bom dia! O melhor de tudo é fazer algo para o bem da humanidade. Pensando e agindo assim: Hoje todas as pessoas que passarem no meu dia, devo fazer algo para vê-las felizes. Mas, devo ser o bom exemplo no começar o dia feliz...” Assim é o conteúdo dos livros de João de Paula, mesmo aquelas fábulas compiladas na internet, ele dá uma roupagem diferente e as histórias ficam mais bonitas e encerram uma lição de vida.
Quando lhe conheci, tive a impressão que não enxerga o defeito do outro, mas busca uma qualidade no outro que fará dele seu amigo sempre. Hoje, meu caro João de Paula, é raro as pessoas pensarem assim, a maioria prefere enxergar o cisco no olho do seu próximo do que retirar a trave do seu olho. Portanto, faço a ilação que tem tido muitas decepções por ser uma pessoa simples, idealista, bom caráter, incapaz de promover o mal, cheio de ilusão, pois permaneça assim, a existência poderá lhe trazer alguns dissabores, mas a vida lhe será leve e feliz.
Prezado uruburetamense, o ciúme, o preconceito, a inveja e a presunção não deveriam ser moedas correntes entre os artistas da palavra, afinal, o Sol ilumina todos os homens, alguns preferem ficar na sombra, portanto, classificar as produções artísticas e literárias de boa ou má qualidade, é negar a criatividade, a sistematização, o que é considerado pelos críticos de ruim, hoje, amanhã será coisa de gênio e a história da arte e literária não me deixam mentir: Baudelaire não foi reconhecido no seu tempo; Fernando Pessoa foi reconhecido um pouco antes de morrer; não faz muito tempo Jorge Amado era autor censurado e rejeitado nas escolas públicas e privadas pelo linguajar coloquial e pornográfico; Beethoven morreu no ostracismo junto com sua obra, os quadros de Paul Cézanne e Van Gogh não lhes sustentavam, atualmente, valem milhões de dólares pelos marchands e agenciadores.
   Quando tive a honra de lhe conhecer, sua esposa, a poetisa Expedita Maciel completou de maneira suis generis sua apresentação: “... Este é o único cearense que conheço que não trouxe em sua bagagem, toalhas, lençóis, redes e panelas pra vender, mas trouxe livros e cultura para os itabunenses”.  Como não os conhecia, fiz uma cara de muxoxo, fiquei com o pé atrás, a distinta senhora subestimar seus conterrâneos comerciantes, mas, ela completou: “não que o comércio ambulante não seja importante, é que o meu marido é um poeta”.
João de Paula é mais do que um poeta, é um escritor, é um sonhador, é um missionário da palavra, suas mensagens são pedagógicas e de autoajuda, quem lê-lo, por maior que seja o problema que estiver atravessando, encontrará em sua palavra a força necessária para solucioná-lo. Depois de dois dedos de prosa com João de Paula, descobre-se que seus ideais estão acima de suas limitações humanas. É um homem despojado, sem ambição material, seu sonho maior é ver seu vizinho feliz, sua rua feliz, o mundo feliz!...
Por isso, meu caro João, dê-me licença poética para parafrasear Lilian Tonet, as pessoas não entram em nossa vida por acaso, sempre existe uma razão de ser, um propósito do destino, algo que o entendimento humano não conhece, mas não é por acaso que elas permanecem. 


Cordialmente,

Rilvan Batista de Santana



Itabuna, 15 de setembro de 2013.

2 comentários

  1. NOTA DE AGRADECIMENTO
    Mestre Rilvan batista de Santana:

    Estou muito feliz quanto ao alcance das sábias palavras que o seu coração escreveu. Agradeço de todo coração o excelente presente e homenagem a minha pessoa, pela passagem da data de meu natalício.

    Os meus quinze minutos de fama valeram por uma eternidade, pois, a Boa Fama é uma dádiva de Deus. O amor, a beleza, a verdade, o bem e o belo.

    Nós somos um presente de Deus.

    Presente amado de Deus.

    Agradeço por sua atenção, amizade, bondade e gentileza. Foi ótimo brindar a Arte Real com você, brindar mais um ano novo. Brindar a Vida!

    Você é importante para mim.

    Você é um presente para todos nós.

    Viva o amor e a beleza de sentimentos que vem de Deus.

    Viva o amor altruísta.

    Devemos sentir prazer – como se fosse um hobby – em procurar alegrar , ajudar, desejar felicidade e dar tranqüilidade e esperança ao próximo, além de manifestar nosso apoio e gratidão.

    Muito obrigado pelas palavras que o seu coração escreveu.

    Atenciosamente,
    João Batista de Paula.:.

     
  2. Comentário de Expedita Maciel , poetisa 1 segundo atrás
    Excluir comentário

    Quem Boa cama Faz nela se deita! Quem Boa Fama Faz nela emana Sabedoria. Muito Obrigado caro amigo Rilvan Batista Santana por relatar tão bem as qualidades de João de Paula, pois dotado de certa dose de sapiência como és, nos deixa muito embevecidos. Que bom que entendestes que, eu ao falar dos meus conterrâneos, não os diminui em suas profissões, e sim o deixei saber que os mesmos escolherão outra digna profissão, sem a qual nossas vidas seria mais difícil : a Arte de Vendas. Obrigado por ter percebido que eu sou realmente da Terra de Iracema; doce e terna, mais um cavalo de batalha e um manancial inesgotável de amor e fidelidade aos que amo. bjs obrigado expedita maciel.

     

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.