Saber-Literário

Diário Literário Online

Franga saradona R. Santana

Postado por Rilvan Batista de Santana 07/07/2014


Franga saradona
R. Santana


            Não foi por acaso que encontrei o velho Tanaguchi, novamente, na Praça Olinto Leone, dizer que foi por acaso seria faltar com a verdade aos meus estimados leitores, não faria isso nem pra ganhar a sorte grande da Mega-Sena ou o prêmio Jabuti, é que “a palavra voa, a escrita fica e o exemplo permanece”, portanto, mentir não é bom exemplo, conheço todos os hábitos do velho Tanaguchi e parodiando o dito a Maomé: “Se Tanaguchi não vai a Narvil, Narvil vai a Tanaguchi”, acrescento ainda, que o velho estava bem humorado e recebeu-me cheio de pilhéria:
            - Lá vem o bisbilhoteiro do conhecimento!
            - Você quis dizer curioso, né?
            - Além de mexeriqueiro e intrometido...
            - Se é assim, fui! – zangado.
            - Estou brincando Narvil, gosto de sua bisbilhotice, incita a minha imaginação – continuou:
            - Hoje, estou alegre, descontraído, ainda não percebeu?
            - Percebeu o quê?
            - Estou menos formal, não usei os pronomes e os verbos na 2ª. pessoa como dantes, eu estou brincalhão e você quer contrariar meu humor?
            - Desculpe-me Tanaguchi, estou uma pilha!
            - Para lhe relaxar, vou contar a fábula da “Franga saradona”, quer que lhe conte ou não?
            - Claro, ó homem dos livros! Que o meu mau humor vá para as Cucuias! 
            - Então, sente-se e ouça:
- Em uma fazenda não muito longe daqui uma franga tinha desde cedo um comportamento diferente: ciscava bastante, brigava com as galinhas, ranzinza, criava caso com os pintos, com os frangos, com as frangas, com as galinhas e só esbarrava na autoridade do galo, não por medo, mas por admiração porque um dia seria, também, galo daquele terreiro.
            Seus pais preocuparam-se desde cedo com o comportamento estranho da filha e levaram-na a vários especialistas da mente, todos foram unânimes no diagnóstico: megalomaníaca, superestima e concluíram que a franga não era frango, mas uma fêmea igual às outras, exceto, na personalidade exacerbada.
            A franga não ficou contente com o diagnóstico, não tinha nada de cabeça, apenas pensava como um galo, isto não é doença, mas uma opção de vida, portanto, ia buscar na ciência médica, complementos físicos que lhe faltavam e contratou os serviços dos doutores Zé Galo e Zizi Pavão – aí, eu o interrompi:
            - Meu caro Tanaguchi, os médicos não diagnosticaram que seu problema era de super autoestima, pra que mais médicos?
- Médico de físico é outro, continue ouvindo:
            - Doutor Zé Galo fez as cirurgias plásticas: aumento das cristas e o implante de esporões pontiagudos para defesa e ataque e conformou o pescoço; a Drª. Zizi Pavão cuidou da beleza: hormônios para tornarem as penas mais brilhantes no pescoço, asas e costas, encompridar as penas do rabo e para o crescimento, enfim, eles deixaram a franga um “galo”.
          Fez-se no galinheiro uma grande festa para apresentação do novo “galo”... Todos os galinheiros circunvizinhos foram convidados, no auge da festa o mestre de cerimônia anunciou o canto dos machos velhos e o canto do novo “macho”, os machos velhos estridularam seus cantos com um som agudo e penetrante:
 
            - cocoricó, cocori, cocori, cocoricó, cocori, cocori!!! – os machos velhos fizeram seus cantos serem ouvidos por toda fauna arredor, mas quando o “macho” novo cantou...
            - có, có, có, có!... – o som foi grave e abafado, uma vergonha, protestou o galinheiro, não era canto de macho, a franga não era macho, um engodo, uma falsidade, propaganda enganosa!!!
            O novo “galo” quedou-se e chocou, chocou, chocou...
            - Eis aí a lição meu caro Narvil: mexe-se na aparência da criatura, mas a natureza é obra de Deus.

Autor: Rilvan Batista de Santana

Licença: Creative Commons

1 Responses to Franga saradona R. Santana

  1. É isso mesmo!
    A franga, o galo, a galinha podem ser notados ao vivo na granja e no galinheiro, mas quando estão expostos, asados, para ir ao prato, todo são francos. Ninguém é galo, ninguém é galinha. Coitado do penoso.
    Mestre Rilvan, parabéns, contexto rico em periciar qul a verdadeira essencia de ser galo novo, ou galo velho, onde creio que o fundamental é ciscar e cocorocá. JoõdePaula.:

     

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

THE END

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Perfil

Perfil
Antônio Cabral Filho - Escritor e coadministradores

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Tecnologia do Blogger.