Saber-Literário

Diário Literário Online

A Falsidade R. Santana

Postado por Rilvan Batista de Santana 13/05/2017

A Falsidade
R. Santana


Não faz muito tempo li um pensamento de Martinho Lutero que diz: “Existem três cães perigosos: a ingratidão, a soberba e a inveja. Quando mordem deixam uma ferida profunda.” Não morro de amores pelo sacerdote responsável pela Reforma Protestante, todavia, a minha admiração pelo seu pensamento é perene: são três facetas da personalidade que o homem escamoteia, esconde, sublima, mas de quando em vez, ele não consegue deter um desses pensamentos maus e esse cão sangra a nossa carne e dilacera o nosso coração.  
            Porém, o sacerdote alemão deixou de incluir no seu pensamento, a mãe que gerou a ingratidão, a soberba e a inveja: a falsidade, que travestida da mentira, da calúnia, do fingimento e da hipocrisia, não só pode deixar ferida profunda com sua mordida, mas pode destruir sonhos e vidas.
            Esses vis sentimentos o homem não consegue escondê-los por muito tempo, pois eles têm um pé na ira e são temperamentais, despudorados, imorais e obtusos, enquanto a falsidade se alimenta do ódio e solapa com ardis, dissimulação e manhas o mais experiente e inteligente dos homens.
            A ingratidão, a soberba e a inveja são sementes que vicejam mais no terreno da ignorância, onde a terra é estéril em conhecimento. O homem ignorante, mesquinho, vulgar, se apropria com mais facilidade desses males do pensamento luterano. Porém, a falsidade viceja em terreno de conhecimento, inteligente, polido, educado e civilizado. Jamais um troglodita irá cometer um crime de falsidade ideológica, mas ele poderá ser acometido, facilmente, de sentimentos de ingratidão, soberba e inveja.
            Às vezes, eu fico aqui no meu canto, matutando comigo mesmo (uma amiga me deu o epíteto de “homem pensante”, pura bondade sua), quanta gente falsa existe nesse mundo de meu Deus!? Enésima. Essa gente é escorregadia, cordata a maioria das vezes, mas não tem o menor remorso de não lhe avisar que uma cobra venenosa vai lhe picar lá adiante se você não sair do seu caminho. São pessoas ardilosas e inteligentes que espalham a mentira, a calúnia e a hipocrisia com tanta competência que a vítima por mais que se esforce, não consegue que a verdade prevaleça...
            O falso é simpático, envolvente, não toma partido de frente, sempre em cima do muro, mas por detrás lhe apunhala sem o menor resquício de consciência. O falso, também, é ingrato, soberbo e invejoso, mas age com tanta doçura, com tanta polidez que é difícil a pessoa de boa fé descobrir o lobo embaixo da pele de cordeiro.
            O falso é desprovido de lealdade, de fidelidade, de amor, é egocêntrico de natureza, só pensa em si, pouco lhe incomoda trair sicrano ou fulano, desde que seja compensado por beltrano, os seus objetivos estão acima de qualquer consideração firme e sadia.
             O falso é hipócrita, é afetado, gosta de aparecer, chamar a atenção, quer ser valorizado nos seus feitos, se não consegue por mérito, espalha calúnia e mentira com a mesma desenvoltura que toma um copo de água, o seu slogan preferido é o princípio nazista que uma mentira bem repetida toma foro de verdade.
            Porém, o falso e a falsidade não se sustentam nem impressionam por muito tempo, é igual à fábula da máscara de La Fontaine, impressiona à primeira vista, é esteticamente bonita, mas um dia se descobre que a cabeça da máscara é oca e a verdade virá á tona.
            O falso é um inimigo não declarado, mas não se sente seu inimigo, é que moralmente, os fins justificam os meios e se alguém está no seu caminho, a desídia e os meios escusos são sua arma.
            O falso tem quase a mesma lógica de um proeminente político que já se foi que dizia: “os meus amigos não têm defeitos, mas os meus inimigos se não têm defeitos, eu os coloco”, portanto, o falso não mede aleivosia para denegrir quem lhe atrapalhe e não mede esforço para bajular quem lhe é de seu interesse.   
            Quando se é vítima da falsidade, não adianta espernear, esbravejar – daqui que se prove que sapo não tem cabelo... -, ninguém lhe dará ouvido e se lhe der, é para atenuar o falso e confirmar a falsidade, porque panela que muito se mexe, mingau vira angu. Então, faz-se o quê? Nada. O tempo é o senhor da razão, que se dê tempo ao tempo. Se viver por muito tempo irá provar que aquele indivíduo não passa de um escroque e que muita gente se enganou e deixou-se enganar!...


Autor: Rilvan Batista de Santana
Licença: Creative Commons

Itabuna, 16.12.2012.

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Perfil

Perfil
Antônio Cabral Filho - Escritor e coadministradores

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.