Saber-Literário

Diário Literário Online

O triste fim do homem R. Santana

Postado por Rilvan Batista de Santana 01/06/2015

O triste fim do homem
R. Santana

Hoje, estimado leitor, estou completando mais uma era conforme a sabedoria octogenária de tio Pedro: “pobre não faz ano, faz era”. Ele tem razão, o pobre faz era (tempo), o rico faz aniversário que no linguajar popular significa: comemoração, festa suntuosa, presentes caríssimos, viagem, bacanal, etc. O pobre quando é querido, recebe os cumprimentos dos parentes achegados, da esposa, dos filhos e alguns telefonemas de amigos distantes que sempre encerram desejando saúde e muitos anos de vida. O pobre ousado coloca uma churrasqueira no quintal, algumas cervejas na geladeira e faz festa com gente de sua iguala.
Mas leitor amigo, deixemos essas coisas pra lá porque não iremos mudar o mundo, pois “quem nasceu pra vintém nunca será tostão”, portanto, nos prendamos, somente, ao título desta crônica.
O homem nasce, cresce, se moço não morre, velho não escapa, é a lei da vida, nada que se pense ou se fale muda esta realidade. Há séculos o homem repete: “Quem sou eu?”, “De onde vim?”, “Para onde vou?” e não encontra respostas necessárias que satisfaçam sua curiosidade. No V Século a. C, Sócrates usava com frequência a máxima de Delfos: “Conhece-te a ti mesmo”. Passamos pela vida e não nos conhecemos plenamente nem ao outro.
O significado da vida sempre será discutível, tanto para o agnóstico, tanto para o ateu ou mesmo para o religioso, este não nega nem duvida de Deus, mas no recôndito do seu ser hesita entre a fé e o desconhecido. Não existe certeza de realidade além - túmulo, o desconhecido é nebuloso, o desconhecido dá medo, o desconhecido é estranho e sombrio assim como a morte. A morte em si não aterroriza, mas a hipótese provável de que não existe vida eterna, vida além-túmulo, que tudo será pó, é que dar medo.
O suicida tem consciência que a vida não tem significado quando perde a fé nas promessas do mundo e o gosto de viver. Faz-se necessário esclarecer que o suicida é movido, também, por problemas de desestruturação da personalidade, falta de discernimento, perda da autoestima, depressão profunda, patologias da mente, todavia, muita gente tida como normal, vive por viver, sem objetivo material ou profissional, e não pratica o suicídio por falta de coragem ou formação religiosa arraigada.
Quando jovem, o homem vê a morte e a velhice como realidades distantes, a morte não lhe ronda e a velhice é um futuro longínquo, sua elevada autoestima não dá lugar ao mau agouro, ao sentimento negativo, o jovem se sente o dono do mundo ou filho do dono. Se ele persegue um objetivo, mesmo que no caminho da vida encontre muitas pedras, ele o realiza.
O homem não deseja outra coisa, senão a felicidade, grande é seu desapontamento quando descobre que a felicidade é relativa, não existe felicidade plena, mas momentos felizes, assim como a paz e o amor. Não se tem sossego o tempo todo e harmonia social sempre, nem se encontra disponível todo tempo o sentimento do amor, da benquerença, do desprendimento, da filantropia.
Se o amor fosse cultivado por todos os homens como recomendação divina: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Mateus 22:39), não haveria conflito social e a paz seria universal e a felicidade seria para sempre, mas “Lupus est homo homini non homo – Plauto”, popularizado depois por Thomas Hobbes: “Homo homini lupos”, que na linguagem do dia a dia,  significa: “O homem é o lobo do homem”. O homem é mau, o homem é egoísta, se faz alguma coisa pelo seu próximo, faz movido pela promessa de recompensa divina ou gozo pessoal.
A velhice é a idade de dor e sofrimento. Os eufemismos: “melhor idade”, “idade da experiência”, “terceira idade”, “coroa”, “idade da razão”, apenas, suavizam a derrota do homem perante a vida e a morte. A velhice é o cutelo que Deus usa para cortar as aspirações mais legítimas do homem e lembrar-lhe de sua finitude, de sua limitação física, de sua limitação moral e intelectual, que ele é matéria corruptível e à matéria retornará um dia.
Por isso, a necessidade da religião – o ópio do povo de Karl Marx - para alimentar sua fé na ressurreição, na reencarnação, na promessa de um paraíso terrestre, esperança de vida eterna, pois se fosse alimentado desde cedo seu triste fim, que ele vai nadar, nadar, e, morrer na praia, que o valor da vida é subjetivo,  que a vida é uma realidade tangível, o homem já teria virado pelo avesso este mundo setenta vezes sete.

Autor: Rilvan Batista de Santana
 Licença: Creative Commons 
Itabuna, 01 de junho de 2015.

1 Responses to O triste fim do homem R. Santana

  1. Espetacular contexto. Uma visão ampla da essencia humana e sua andança. Parabéns, professor e escritor Rilvan Batista de Santana. Contextualidade nota duas vezes 10!.

     

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.