Saber-Literário

Diário Literário Online

Alf, o demônio (II) - R. Santana

Postado por Rilvan Batista de Santana 13/01/2016

Alf, o demônio (II)
R. Santana


O Sol a pino queimava o rosto da velha Astrid e dos seus sobrinhos que naquela manhã estavam cuidando do gado algumas varas distantes da casa grande. O Sol não queimava mais porque todos usavam chapéu de abas largas e camisa de manga comprida, mas o suor escorria pelos corpos, principalmente de Astrid que usava uma saia cobrindo as botas.
            José de Astrid e o vizinho tinham ido ao povoado comprar mantimentos. Todo final de mês, repetia-se a rotina: José de Astrid selava o seu cavalo preferido, colocava a cangalha e os panacuns no jegue e arribava pra feira-livre do povoado Panelinha e voltava de lá quase noite, naquele dia não foi diferente.
            Não se falava mais na casa de Astrid de Alf. Quando os sobrinhos e o marido tocavam no assunto, ela benzia-se três vezes, depois daquele dia que o gato encarnou o demônio. Ela trouxe o padre de sua paróquia que espargiu água benta em todas as pegadas de Alf da soleira da porta da casa grande aos lugares onde ocorreram os sinistros, o gato sumiu.
            Naquela manhã, quase meio dia, um redemoinho muito forte começou na frente da casa grande numa grande espiral e foi se reproduzindo em série por vários lugares próximos da casa grande.  O redemoinho enrolava e arrastava tudo que encontrava pela frente, as portas e as janelas da casa grande batiam com força, as árvores tremiam como se estivessem de sezão, as folhas das árvores caíam aos montes, a roupa do varal foi sugada em redemoinho e espalhou-se por distância, o tufão arrancou, também,  algumas telhas do curral, num instante o céu se fechou de nuvens e a chuva começou cair em braçadas, alagando tudo, um pandemônio, um inferno...
            O gado fugiu em debandada, Astrid e os sobrinhos correram pra laje da casa grande, lugar mais seguro, enquanto a chuva caía aos borbotões e o tempo escurecia ainda mais rajado de relâmpagos e trovões. A velha Astrid buscou na escrivaninha a Bíblia e o terço e começou orar:
- Deus tem misericórdia dos seus filhos, perdoa os nossos pecados, não permita que essa tempestade nos faça nenhum mal, não permita que essa tempestade desabe a casa dos nossos irmãos necessitados e que as nossas cabeças sejam alvos desses raios sem rumo, tenha piedade da gente, ó Senhor!!! – com o terço sobre a Bíblia:
- Creio em um só Deus/Pai todo-poderoso.... Pai Nosso... Ave Maria... Pai Nosso... Ave Maria... Santa Maria... Pai Nosso... Ave Maria... Santa Maria, mãe de Deus... – de repente, surgem os sobrinhos assombrados, a velha se espanta:
- Viram fantasma, rapazes!? – os sobrinhos falaram, ao mesmo tempo, nervosos e arquejantes:
- Tia, há um gato enorme na cozinha em cima do armário!!! – a velha eufemiza:
- Ô rapazes, deve ser gato da vizinhança!
- Não tia, é um gato preto com os olhos vermelhos, parece com o arrenegado, é um bicho estranho!!! – Astrid estremece, lembrou-se de Alf, então, pegou no quarto mais alguns apetrechos sagrados: uma grande vela, um vaso de água benta, uma cruz de madeira e convidou os rapazes:
- Vamos, se for algum Anjo Rebelde, ele vai deixar esta casa em nome de Deus!
            Os rapazes acompanharam a tia, pé ante pé, a luz trêmula da vela adiante, todos  
escudados pela velha Astrid, os rapazes com medo, a velha firme, quando ficaram frente a frente, um pouco mais de 3 metros, a coisa começou grunhir e ameaçar:
- Saiam daqui seus carolas! Baba-hóstias! Baratas-de-sacristia! Saiam de minha fazenda!!! – eles não se intimidaram, cruz e terço levantados enfrentaram o demônio, Astrid quase gritava:
- Vade retro Espírito das Trevas!  Afasta-te desta casa Belzebu! O teu lugar é o mundo dos arrenegados! Sangue de Cristo tem poder! – Astrid espargia água benta na coisa, os sobrinhos afrontavam-no com a luz de vela e com a cruz. A água benta quando tocava no Tinhoso riscava fogo, mas ele resistia, vomitando porcaria e ameaçando, quando Astrid embasada na fé começou surrar o arrenegado com o terço e orava:
- Pai Nosso... Ave Maria... Santa Maria... Pai Nosso... Ave Maria... Santa Maria, mãe de Deus...

Autor: Rilvan Batista de Santana

Licença: Creative Commons

1 Responses to Alf, o demônio (II) - R. Santana

  1. MESTRE RILVAN BATISTA DE SANTANA, SOU FÃ DESTA SUA CABEÇA CRIATIVA.
    ÁGUA BENTA, PAI NOSSO, AVE MARIA E ATE UM PAI NOSSO SÃO NECESSÁRIOS PARA AFASTAR OS DEMÔNIOS. POR ISSO, MEU NOBRE ESCRITOR E PROFESSOR TENHO DITO: SEM MEDO NÃO HÃ FÉ. EXCELENTE CONTEXTO. MEUS APLAUSOS DOA EM QUEM DOER....JOÃO BATISTA DE PAULA.

     

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

THE END

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Perfil

Perfil
Antônio Cabral Filho - Escritor e coadministradores

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Tecnologia do Blogger.