Saber-Literário

Diário Literário Online

O travesti - R. Santana

Postado por Rilvan Batista de Santana 13/11/2016

O travesti
R. Santana

No início dos anos 80, moravam na Serra do Padeiro, região dos índios Tupinambás, “Chico Zabelê” e “Ana Tanajura “.  Ele, bicho do mato, cabra macho, caboclo valente, homem hábil no biscol e no clavinote, burareiro de cacau; ela, outrora vedete do baixo meretrício de Buerarema, se conheceram jovens, se amancebaram, formaram uma família e construíram uma fazenda de cacau e algumas cabeças de gado no sopé da montanha do Padeiro.  
Analfabetos de pai e mãe e madrinha de apresentar, assim que os meninos ficaram taludos, eles compraram uma casa na cidade de Itabuna e colocaram os filhos na escola. Não deixaram a fazenda, os filhos ficaram aos cuidados de uma irmã de Chico Zabelê, de 15 em 15 dias, eles vinham pagar as despesas de cereais no armazém, desobrigar outras despesas pessoais dos meninos e da tia “Clô”, e, matar a saudade dos moleques. Nas férias escolares, de Junho e final de ano, todos, tia e sobrinhos, arribavam pra “Fazenda São José”, podar cacau, beber leite no úbere da vaca e tomar banho no riacho do Padeiro.
Aonde Chico Zabelê ia, sua mulher ia atrás, para o seu vizinho de fazenda, a elogiava: “ela é mios zóios e mias zorêias”, e acrescentava: “mio pé di boi”, ou seja, Ana Tanajura cuidava de tudo, enxergava tudo, não arredava o pé da fazenda, exceto, de quinzena em quinzena, para visitar os filhos e colocar ordem na casa de Itabuna. Ela não bebia nem fumava, não tinha vaidades femininas, seu mundo se abreviava em cuidar da burara, do marido e dos filhos. Embora fosse dona de 2000 arrobas de cacau, se misturava sem destaque, com as mulheres de outros caboclos menos afortunados que o marido e, as mulheres dos seus trabalhadores. Ela não possuía pabulagem nem a empáfia das mulheres dos outros fazendeiros da região.
Chico Zabelê não fumava, bebia de quando em vez para ‘isquentar o fio”, justificava, uma fera inocente, não possuía pabulagem, mas era um homem de pouca conversa, as más línguas afirmavam que seu clavinote tinha derrubado muitos “índios” e posseiros pra cravar mais de 100 hectares  naquelas terras sem fim. Seu único divertimento depois das “horas marianas”, era ouvir a “Voz do Brasil” e a “Rádio Globo”, no seu rádio “SEMP”, portátil, último modelo, depois, fazer “sapeca iaiá” com sua mulher e embuchá-la com 12 filhos, afora as percas, ao longo dos anos.
A vida da família de Chico Zabelê continuaria sem sobressalto, se João Luís, o filho mais velho, não resolvesse estudar medicina em Salvador. Sua mãe se desmanchou em lágrimas, seus irmãos ficaram desolados... Seu pai, mais duro, não chorou, mas ficou acabrunhado, tentou dissuadi-lo, porém, João Luís fincou o pé, queria ser doutor pra ajudar aquela gente pobre da Serra do Padeiro, seu argumento foi mais forte do que o sentimento de família, na casa do sem jeito, Chico Zabelê e Ana Tanajura cederam e ele arribou de mala e cuia pra Salvador.
João Luís não se tornou médico, aproveitou a ignorância de seus pais, pediu-lhes  dinheiro, de burra cheia, maior de idade, foi correr mundo, depois fixou-se em São Paulo. Ele alimentava os pais com mentiras megalômanas diversas. Cansados, desiludidos de verem o filho doutor, explorados financeiramente e psicologicamente, Chico Zabelê e Ana Tanajura deixaram de responder às cartas e às extorsões do filho mais velho e ingratidão tira a afeição, João Luís foi ignorado pelos pais e irmãos.
Porém, filho é laço eterno, basta um gesto de desculpa, um “mea-culpa”, um choro de arrependimento e, tudo volta ao normal. Os pais são semideuses, eles perdoam e justificam todos os pecados dos filhos, os filhos são entes que precisam sempre de proteção e defesa, os filhos são etenos meninos.  E, João Luís era mestre na arte de dissimular... Astuto, escreveu aos pais e aos irmãos (agora, quase todos adultos), uma chorosa e lamurienta carta e pedia pra voltar: “...estou cansado de dar murro em ponta de faca...”, mas tinha uma surpresa, como surpresa só revelaria no tempo certo.
Abra-se parêntesis:
No meado dos anos 80, surgiu Roberta Close, primeira modelo transexual a posar nua para edição brasileira da revista Playboy. Sua exposição na principal revista de modelos nus do país, deu a Roberta Close (Luiz Roberto Gambine Moreira, nome de batismo), projeção nacional e quiçá internacional, pois além de bonita, ela rompia com muitos estigmas: os homossexuais enrustidos, os gays, os travecos, deixaram o armário e a leva de seus seguidores cresceu em proporção geométrica.
Ela causou tanta impressão no meio na imprensa e no meio artístico, pela beleza e desafio aos preconceitos, que foi chamada para desfilar em inúmeras marcas de moda de renomes, a exemplo de Thierry Mugler, de Guy Laroche, de Jean Paul Gaultier e trabalhar como atriz. Além da revista Playboy, também teve destaque em editoriais para Vogue, Globo, Última Hora, Estadão, enfim, toda imprensa falada e televisada do país.
A família brasileira assustou-se!...
Fecha-se parêntesis.
Domingo, dois meses depois: jagunços, trabalhadores, meeiros, mulheres do trampo, meninos, meninas, Chico Zabelê, Ana Tanajura e filhos, aguardavam ansiosos por João Luís, no terreiro da “Fazenda São José”, quando alguém avistou de longe uma Rural Willys e gritou:
- Olhe, ele chegou! – não demorou muito tempo, quando o automóvel parou no terreiro, o filho de Ana Tanajura e uma linda mulher se despediram do motorista e aproximaram-se da pequena multidão.  Agora, mais alto, mais corpulento, mais bonito, a cara da mãe, cheio de bigode e cavanhaque, João Luís, apresentou sua mulher aos pais e irmãos: “mãe, pai, irmãos, Layse, a surpresa...”. Foi um beija-beija, “muito prazer em lhe conhecer”, um chororô, “lindos cunhados”, quando Layse beijava Chico Zabelê,  surge da multidão, como uma bomba, um moleque que colocou tudo a perder:
-Ih! Seu Chico Zabelê beijou um homem! Ah, ah, ah... – antes que todos se recuperassem do susto, acrescentou:
- Gente, olhe o “pomo-de-adão” e os pés dele!!! – a desgraça estava feita. Todos perceberam que Layse não era mulher, Chico Zabelê reagiu:
- Fio mardito, tu é casado cum home!? – João Luís ficou perturbado, gaguejou, titubeou, quis explicar o inexplicável, não convenceu... Chico Zabelê furioso:
- Fora de minha fazenda seus xibungos! – os irmãos de João Luís fizeram coro:
- Fora seus viados! Fora maricas! Não já ouviram papai falar? – a multidão não aguardou a resposta, perdeu as estribeiras, depois de rasgar o vestido de Layse, deixando-a, apenas, com tapa-sexo de esparadrapo, botou pra correr o casal, com bofetadas, vaias, apupos e achincalhes:
- Fora viados! Ah, ah, ah, ah!!!!
Ambos foram encontrados mortos, num lamaçal, dois dias depois, com estacas no cu. A família não chorou...



Autor: Rilvan Batista de Santana
Licença: Creative Commons

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Perfil

Perfil
Antônio Cabral Filho - Escritor e coadministradores

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.